sexta-feira, 11 de novembro de 2016

NOVO COMEÇO?

re.co.me.çar
v. t.d. 1 continuar (atividade, trabalho etc.), após interrupção; retomar. v. int. 2 começar novamente (o que havia parado ou se supunha ter acabado)
re.co.me.ço
\ê\
s.m. novo começo

A edição mais recente do Minidicionário Houaiss da língua portuguesa que tenho em casa é a do ano de 2004 e foi dela que as definições acima foram extraídas.

É estranho querer falar de recomeço. É estranho até usar a palavra recomeçar. Recomeço me traz a ideia de iniciar outra vez algo que deu errado - o que torna a experiência toda de recomeçar um tanto traumática. A sensação é de que houve uma falha tão grande que não há espaço para reparos, e sim para um recomeço. Não digo isso querendo inibir tais falhas. Mas é triste ver que o que tanto quis fazer com que desse certo acabou não saindo do jeito que planejei.

O próprio dicionário, talvez confuso, me dá uma definição semelhante mas, para mim, não tão pesada, à palavra: novo começo. Parece mais simples. Como o ato de começar outra vez, desconsiderando as falhas anteriores, esquecendo do que deu errado para uma nova tentativa de que dê certo. Mas recomeçar, como verbo, dá ênfase à retomada de um trabalho após a sua interrupção.

Mas é justo me ligar a essas definições? Porque não posso simplesmente querer um novo começo assim, por querer? E o que tudo aquilo que vivi agrega de valor aos meus novos começos? As experiências anteriores devem ser jogadas fora, pela janela, no lixo? 

A sensação de se ligar tanto à particularidade da palavra, de querer um novo começo em vez de um recomeço, talvez se explique pela vergonha de não querer admitir que houve falha na tentativa anterior. Nas tentativas anteriores.

O problema é que às vezes esqueço que as malditas experiências são o que me moldam. O que me dão o respaldo para não seguir pelo mesmo caminho do que deu errado.

Aí está outra palavra não tão legal: errar (incorrer em erro, engano; falhar, equivocar-se).

Mas deixando de lado os pormenores da língua portuguesa devo voltar ao propósito disso aqui - seja lá qual for ele: um novo começo, um recomeço, o ato de recomeçar... Pra você tanto faz.

Já faz algum tempo desde que tive vontade de voltar a escrever neste espaço da internet. Neste canto que um dia me serviu como ponte para criar coragem de gravar vídeos e expor o rosto na rede ao falar de livros. Depois que comecei com o vídeos vi que era muito mais fácil falar com a câmera, deixar tudo fluir pela boca do que pelos dedos. E por isso larguei a escrita.

Passado o tempo, a vida acontecendo e as experiências vindo, hoje me encontro aqui mais uma vez deslizando os dedos por teclas que traduzem e concretizam meus pensamentos. E agora me pego pensando de novo no significado das palavras acima: "começar novamente (o que havia parado ou se supunha ter acabado)". Será que chegara a supor que isso aqui teria acabado? Nem sei. E quando digo "me encontro aqui", também não quero dizer que eu estava perdido e agora me encontrei. Longe disso.

O que sei bem é que nem sempre gostei de escrever. Na infância, aos seis anos, quando pus pela primeira vez os pés numa escola, meus cadernos eram todos de caligrafia e hoje tenho muito orgulho da minha escrita - da estética dela, no caso. Mas nunca gostei de escrever conteúdo próprio, sabe? 

E sei que mudei isso há uns cinco anos, que foi quando a vida começou a acontecer e percebi que escrever era bom, uma forma de colocar pensamentos pra fora. Até tentei manter um diário, mas acabei o largando. Ainda tenho algumas folhas guardadas com o que um dia sonho em transformar num romance bestseller. Que viagem!

A gente tenta. Por mais que o tempo passe (e ah, como ele passa!), a gente tenta. 
E acho que isso aqui vai acabar com outra definição.

ten.tar
v. t.d. 1 esforçar-se para conseguir; buscar, procurar 2 pôr em experiência; testar 3 pôr em execução; empreender, arriscar 4 despertar vontade em

Vejo que o esforço que fiz pra chegar até aqui pode não ter sido em vão. Na verdade, sei que não foi. Por mais que seja difícil admitir as falhas e reconhecer a necessidade de um recomeço, eu tento. Não é à toa que estou aqui. Eu arrisquei, eu procurei, eu despertei minhas vontades e coloquei em experiência. E agora a tentativa é a de me esforçar para conseguir manter a sanidade, de voltar a escrever e não deixar a cabeça louca, cheia de pensamentos que várias vezes não tem para onde escoar. No geral, eu me esforço.

E me perdoe usar sempre a primeira pessoa do singular aqui. É que não quero que você, leitor, se identifique tanto com a minha confusão, pois me culparei por isso.

Foto: Arquivo pessoal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário